domingo, 16 de dezembro de 2012

Mudando a aparência do GNOME Shell


Já fazem dois anos em que o GNOME Shell foi lançado e ainda vejo muitos usuários reclamando que não sabem personalizá-lo. Nessa época eu até fiz um post para servir de alguma orientação e esse outro de como instalar extensões. Tudo bem que nos primeiros meses de lançamento do GNOME 3 haviam poucas ferramentas de configuração do mesmo no gnome-control-center (Configurações do Sistema) e o gnome-tweak-tool (Advanced Settings) acabou surgindo para suprir essa demanda e foi adotada como ferramenta oficial. Eu até penso que a mesma já deveria ser unificada ao gnome-control-center e ser uma de suas opções de ferramenta.

Bom, mas o que é necessário para mudarmos completamente a aparência do nosso desktop? Se sua instalação já não tiver vindo com o gnome-tweak-tools instalado você terá que instalar ele e outro pacote para fazer as mudanças em seu desktop:
sudo aptitude install gnome-tweak-tool gnome-shell-extensions

Abrindo o gnome-tweak-tool você, primeiramente, necessita ativar a extensão User Themes.

O gnome-tweak-tool tem como uma das opções Temas, cuja sub-opções mais importantes são:

Tema de janelas - aqui, ao escolhermos um tema, modificamos o contorno das janelas das aplicações e, principalmente, sua barra superior e seus botões de controle (minimizar, maximizar e fechar).

Shell theme - é por esta opção que instalamos os temas para o shell anteriormente baixado de algum lugar. Mas há que se ter cautela pois não é qualquer tema que pode ser instalado. Atente para a indicação do autor do tema quanto à versão do shell para o qual ele foi feito. Instalar temas de versões diferentes podem até funcionar de cara mas deixará o sistema instável.

Tema do GTK+ -  você já deve ter notado que algumas aplicações, como o Firefox ou o Google Chrome, podem ficar com uma aparência um pouco diferente do restante do sistema. Isso se dá porque, mesmo você estando no Gnome 3, essas aplicações ainda estão usando o GTK 2. Por esse motivo, muitos temas incluem arquivos de configuração para para GTK 2 e GTK 3. Outros também exigem motores extras de renderização como o unico e o murrine. Fique atento para as exigências de cada pacote de temas e instale as dependências exigidas antes de instalar um tema. Geralmente a instalação das engines satisfazem-se com o seguinte comando:
sudo aptitude install gtk2-engines-murrine gtk3-engines-unico

As demais opções são implícitas e você deve saber do que se trata, como Tema de ícones, Tema de associação de teclas, Cursor theme, etc. Nos repositórios Debian temos vários temas que podem ser instalados, mas você pode também fazer o download de outros em sites como o gnome-look.org e deviantart.com. Os pacotes baixados desses sites são instalados da seguinte maneira:

Cursores e ícones - devem ser descompactados na pasta ~/.icons.
Temas para o Shell ou GTK - descompacte-os na pasta ~/.themes ou instale-o diretamente pelo gnome-tweak-tool indicando o pacote compactado de onde você fez download.
Fontes - os pacotes devem ser descompactados na pasta ~/.fonts.

Todas as pastas indicadas ficam no seu diretório home e o "." na frente dos nomes das mesmas fazem com que elas fiquem ocultas. Caso elas não existam crie-as.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Faça buscas na internet a partir do GNOME Shell


Que tal realizar pesquisas na internet sem ter que antes abrir o browser para isso? Essa é a funcionalidade oferecida pela extensão Web Search Dialog. Usando a tecla de atalho Super+Espaço abre o box de diálogo para pesquisa onde você deve digitar sua pesquisa, clicar na tecla ENTER e seu navegador padrão será aberto com o resultado desejado. Caso o navegador já esteja aberto, outra aba será aberta com o resultado de sua pesquisa.

 A praticidade é tanta que, no próprio box de pesquisa, são apresentadas sugestões de pesquisa e até mesmo definições com imagem como o box de ajuda do mecanismo DuckDuckGo.














Com essa extensão é possível escolher qual motor de pesquisa desejamos utilizar bastando utilizar a tecla TAB. Ela já vem com vários motores de pesquisa mas podemos acrescentar mais.

Mecanismos de busca

Box de configuração

















Abaixo temos a relação de todas as funcionalidades disponíveis:

* Resultado instantâneo/definição (ajuda DuckDuckGo) com imagens dentro do diálogo;
* Sugestões de pesquisa;
* Histórico com limite configurável;
* Escolha o seu mecanismo de pesquisa padrão;
* Adicione múltiplos motores de pesquisa;
* Tecla TAB para ver e escolher um motor de pesquisa da lista existente;
* Ctrl+Shift+V para colar e pesquisar;
* Ctrl+Shift+G para colar e ir (URL);
* Ctrl+(1-9) para acionar sugestão de pesquisa ou item na lista do histórico;
* Adicione palavra-chave para cada motor de busca;
* Adicione palavra-chave para ir diretamente a uma URL.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Montando imagens de CD/DVD no Linux


Essa semana participei do COMSOLiD e, na sala de games, um camarada surgiu com uma cópia de um game para Playstation em .nrg para rodar no PCSX. Na verdade não passava de uma provocação pois a pessoa acreditava que não era possível utilizar uma imagem de um programa proprietário de gravação de CDs. Bom, é claro que eu não disse que nunca tinha utilizado esse tipo de imagem de cd no Linux, mas minha primeira atitude foi tomar o notebook de suas mãos e consultar o man do mount e encontrar a resposta que queríamos. Usuários de outras distros sempre pensam que um usuário Debian é um glossário ambulante de comandos Linux e esquecem-se que uma das ferramentas mais importantes são os manuais de ajuda. Inteligente não é aquela pessoa que tem cada resposta na ponta da língua, e sim aquela que sabe onde buscar e como aplicar essas respostas.

E essa foi a motivação para esse post. Vejamos como montar as imagens de disco mais comuns no Linux através da linha de comando.

O primeiro passo é determinar uma pasta onde a imagem será montada. As mais adequadas para essa tarefa são as pastas /media e /mnt. Na maioria das distribuições Linux atuais nossas mídias de CD/DVD e pendrives são automaticamente montadas na pasta /media. Se você possui um driver de CD/DVD notará que nela já existem as pastas cdrom0 e cdrom (esta apenas um atalho para a primeira). Quando você espeta um pendrive o mesmo será montado em uma pasta com o nome do dispositivo. Se você vai montar a imagem para ser utilizada como um dispositivo real de disco e assim poder ser utilizada por uma aplicação que queira ler desse dispositivo real (como o emulador de jogos PCSX), então você deve montá-la nas pasta oficiais (cdrom ou cdrom0). Mas se for apenas montar a imagem para ter acesso aos arquivos da mesma pode montá-la na pasta /mnt ou criar uma pasta com o nome que deseje com o seguinte comando:
sudo mkdir /media/nomepasta
Mas vejamos como montar cada tipo de imagem:


Imagens .iso

O padrão oficial de imagens de disco no Linux é o ISO. Para montá-la use o comando:
$ sudo mount -t iso9660 -o loop imagem.iso /media/cdrom
Troque o nome da imagem.iso pelo nome do arquivo que você possui. A pasta a ser montada é /media/cdrom mas poderia ser /media/nomepasta ou ainda /mnt/nomepasta (de acordo com o nome criado com o comando mkdir).


Imagens .ngr (imagens geradas pelo Nero - Nero Burning Rom)

Por incrível que pareça o tipo de arquivo de imagem de cd mais comum no universo proprietário é o .ngr. Para montá-la devemos use o comando abaixo:
$ sudo mount -t iso9660 -o loop, offset=307200 imagem.ngr /media/cdrom

Se por algum motivo você desejar converter essa imagem .ngr para uma .iso instale o seguinte programa:
$ sudo aptitude install ngr2iso

Para converter, proceda com:
$ ngr2iso imagem.ngr imagem.iso


Imagens .bin e .cue

Outro formato muito popular no universo proprietário, para podermos montá-la precisamos antes convertê-la para .iso. Instale o programa que realiza isso com:
$ sudo aptitude install bchunk

Para converter o arquivo .iso:
$ bchunk imagem.bin imagem.cue imagem.iso
o
Agora basta montar a imagem .iso resultante como descrito acima.


Imagens .img

Também precisaremos converter esse formato para .iso antes. Instale o seguinte programa:
$ sudo aptitude install ccd2iso

Para converter:
$ ccd2iso imagem.img imagem.iso

Depois proceda como já foi falado para montar o arquivo .iso.


Imagens .mdf

Antes proceda com a instalação do mdf2iso:
$ sudo aptitude install mdf2iso

Converta com:
$ mdf2iso imagem.mdf imagem.iso

E, novamente, monte a imagem iso para utilizá-la.

Caso você não saiba, para desmontar a imagem use o seguinte comando:
$ sudo umount /media/cdrom

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

5º COMSOLiD em Maracanaú


A Comunidade Maracanauense de Software Livre e Inclusão Digital promoverá a 5ª edição do COMSOLiD, evento organizado por alunos do IFCE (Campus Maracanaú) e que ocorre anualmente em suas dependências sendo considerado um dos eventos mais importantes na agenda cultural cearense na área do open source. Palestras, minicursos, oficinas, festinstall, competição de robótica, competição de gamers, apresentação de bandas locais e muito mais faz parte de uma grade recheada de muitas atividades, e todas gratuitas.

Toda a grade é pensada não somente para agradar àqueles que já são iniciados na ideologia do software livre mas, principalmente, para a comunidade que desconhece o movimento open source e até mesmo não está incluída digitalmente. Diversas escolas locais são visitadas na intenção de divulgar o COMSOLiD o que tem resultado numa participação massiva de alunos do ensino fundamental e médio de Maracanaú e de cidades vizinhas.

Confira a grade do evento logo abaixo:


O evento será realizado durante os dias 6, 7 e 8 de dezembro nas dependências do IFCE Maracanaú. As inscrições podem ser feitas no site da comunidade.

Um posto de coleta de lixo eletrônico estará disponível para receber toda tralha que você não deseja mais e não sabe como descartar.

domingo, 2 de dezembro de 2012

Sessão similar ao GNOME Fallback Mode retornará no GNOME 3.8


Depois de anunciarem que o GNOME Fallback Mode seria descartado na versão 3.8 do GNOME Shell gerou-se um alarido tremendo na comunidade opensource e os desenvolvedores resolveram voltar atrás.

Debarshi Ray, um desenvolvedor GNOME, contou que uma opção visualmente semelhante ao GNOME 2.x (mas não idêntico) virá na tela de login (GDM) do próximo 3.8. Entretanto, eles não desejam chamar essa opção nem de Fallback Mode e tampouco de GNOME Classic. O nome ainda será pensado.

Essa alternativa ao GNOME Shell constará de uma barra de tarefas superior com um menu de aplicativos, um chaveador alternativo de janelas (ALT + TAB), botões de minimizar e maximizar virão por padrão nas janelas, etc.


Apesar de vir como uma opção de sessão a mais, esse modo "classic" é proporcionado por um conjunto de extensões criadas para o shell denominadas de “classic-mode” build infrastructure.

O GNOME 3.8 será oficialmente lançado no dia 28 de março de 2013.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Iceweasel 17 no Debian


Por aqui já fizemos diversos posts sobre como atualizar o navegador web padrão do Debian, o Iceweasel, para a versão mais recente. Quem desejar revisitar essa dica para o Squeze pode vê-la aqui. Nesse mesmo post há indicações de como proceder tanto para o Squeeze como para o Wheezy. Mas como as pessoas têm preguiça de lerem posts antigos vou repetir aqui os procedimentos que fiz para o meu Wheezy.

  1. Adicione o seguinte repositório no arquivo sources.list:
    deb http://ftp.br.debian.org/debian experimental main
  2. Atualize a lista de pacotes com o comando:
    sudo aptitude update
  3. Agora proceda com a atualização do Iceweasel com o seguinte comando:
    sudo aptitude install -t experimental iceweasel


    Você deverá obter a seguinte mensagem no terminal:
    ~$ sudo aptitude install -t experimental iceweasel
    Os NOVOS pacotes a seguir serão instalados: 
      libmozjs17d{a} xulrunner-17.0{a}
    Os pacotes a seguir serão REMOVIDOS:
      xulrunner-10.0{u}
    Os pacotes a seguir serão atualizados:
      iceweasel
    1 pacotes atualizados, 2 novos instalados, 1 a serem removidos e 423 não atualizados.
    É preciso obter 14,7 MB de arquivos. Depois do desempacotamento, 12,4 MB serão usados.
    Os pacotes a seguir possuem dependências não satisfeitas:
     iceweasel-l10n-pt-br : Depende: iceweasel (< 10.0.10esr-1.1~) mas 17.0-1 será instalado.
    As seguintes ações resolverão estas dependências:

         Remover os pacotes a seguir:                                     
    1)     iceweasel-l10n-pt-br                                           

         Deixar as seguintes dependências por resolver:                   
    2)     task-brazilian-portuguese-desktop recomenda iceweasel-l10n-pt-br


    Aceitar esta solução? [Y/n/q/?]
    Os NOVOS pacotes a seguir serão instalados:
      libmozjs17d{a} xulrunner-17.0{a}
    Os pacotes a seguir serão REMOVIDOS:
      iceweasel-l10n-pt-br{a} xulrunner-10.0{u}
    Os pacotes a seguir serão atualizados:
      iceweasel
    1 pacotes atualizados, 2 novos instalados, 2 a serem removidos e 422 não atualizados.
    É preciso obter 14,7 MB de arquivos. Depois do desempacotamento, 11,9 MB serão usados.
    Você deseja continuar? [Y/n/?]
Aceite o que é sugerido e seja feliz!

Até a próxima!

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Aplicações voltadas para o conteúdo serão o próximo passo no Gnome Shell


O Gnome Shell tem ganhado novos recursos e funcionalidades a cada liberação de nova versão. Desde seu lançamento em abril de 2011, novidades foram surgindo aos poucos como o Gnome Contas Online, integração entre a tela de bloqueio e a origem de entrada, melhorias na lista de Atividades, novo desingner da Bandeja de Mensagens, mais recursos no Configurações do Sistema, etc. Apesar de todas as principais forças de trabalho parecerem mais ativas no núcleo do sistema também há uma preocupação no desenvolvimento de aplicações de conteúdo. 

Sensíveis ao fato de que o usuário de computador atual adora produzir e compartilhar conteúdo, o time de desenvolvedores estão trabalhando no desenvolvimento de recurso que proporcionem uma melhor maneira do usuário acessar e trabalhar com conteúdo. A ideia é complementar as aplicações atuais para que as mesmas atendam às novas necessidades do usuário de forma objetiva e rápida, proporcionando ao mesmo maneiras de pesquisar e encontrar o conteúdo produzido ou disponibilizado com coisas como busca rápida e integração à nuvem

Um bom exemplo desse comprometimento com a nova abordagem ao conteúdo pode ser visto nas funcionalidades que vêem sendo acrescentadas ao gerenciador de arquivos em vez de se criar uma nova aplicação só para suprir essa demanda.

Entretanto, um conjunto de novas aplicações de conteúdo estão sendo pensadas com o intuito de fornecer uma maneira rápida e fácil de trabalhar com o conteúdo e integrá-lo na nuvem. A ideia é que, mesmo sendo aplicações diferentes, seja utilizada um conjunto de componentes de interfaces que podem ser reutilizadas em cada uma dessas aplicações.

Abaixo vemos alguns mockups do que os desenvolvedores planejam para o futuro do Gnome Shell.

Documentos
A aplicação Documentos já está disponível há algum tempo e tem sido melhorada a cada versão. Atualmente ela tem a aparência abaixo em meu Debian Wheezy (Gnome 3.4):

Mas vejamos o mockup.

Música


Fotos

Vídeos


O Totem está se encaminhando para tornar-se a aplicação Vídeos. A aplicação Fotos está em seu estágio inicial e algumas atividades tem sido direcionadas em torno da aplicação Fotos e Música. Ainda há a aplicação Transferências, que ainda está apenas no papel, mas cujo uso será para o compartilhamento do conteúdo do usuários para as nuvens e redes sociais através de um implemento na aplicação Contas Online.

Fonte: afaikblog

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Liberado Gnome Shell 3.7.2 com suporte para provedores de pesquisa


Acaba de ser liberado o Gnome Shell 3.7.2 com várias correções de bugs, mais de 20 novos efeitos visuais, está mais ágil e com uma significativa nova funcionalidade: suporta configurações de provedores remotos de pesquisa. Praticamente quase todos os pequenos aspectos do Gnome Shell receberam alguma alteração ou polimento, o que o torna a melhor de todas as versões até aqui. Mas as melhorias mais notáveis ficam por conta da busca integrada e da filtragem nas notificações. Todas essas mudanças foram realizadas a nível de aplicação de patches no GCC e podem ser verificadas no vídeo abaixo. 

Confira a lista completa das melhorias para essa versão World of Gnome. Aguardem o Gnome Shell 3.8 em breve!

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Gnome 3.8 contará com módulo que apresentará o desktop ao usuário

Visando ambientar melhor os usuários provindos do sistema Janelas ou mesmo usuários de desktops mais simples, os desenvolvedores do Gnome Shell pretendem adicionar um módulo interativo chamado de Gnome Initial Setup (GIS), possivelmente uma parte no Gnome 3.8 e tudo já devidamente aprimorado para as versões posteriores. 

GIS - Gnome Initial Setup

O módulo de Configuração Inicial (Gnome Initial Setup - GIS) é dividido em duas etapas: assim que o usuário loga-se pela primeira vez lhe é apresentada uma tela para criação de sua conta perguntando-lhe sobre todos seus dados de contato que serão utilizados em todos os aplicativos do sistema, como Gnome Contas Online, Empathy, Evolution, etc. Findando-se essa configuração inicial o GIS questiona o usuário se o mesmo deseja fazer um tour para conhecer o sistema (Welcome Tour). Ao aceitar o novo Guia de Introdução do Gnome será lançado inicializando um vídeo em tela cheia demonstrando as diferentes formas de lançar aplicações, funcionamento do sistema de notificações, comportamentos da área de trabalho, etc. Após esse vídeo introdutório o Yelp entra em cena com todo seu índice de conteúdo, agora com vídeos demonstrativos para aqueles que têm preguiça de ler. O vídeos serão disponibilizados apenas em cinco línguas diferentes, mas todos eles contarão com legendas de acordo com a localização do sistema.

Novo Yelp com conteúdo interativo

Acredita-se que o maior desafio será a tentativa de introduzir os usuários (principalmente usuários Janeleiros) na dinâmica de funcionamento dos espaços de trabalho (Workspaces) já que, mesmo no Gnome 2.x ou mesmo no Unity poucos são os que realmente sabem aproveitar os benefícios desse recurso. No Gnome 3 os espaços de trabalho são cidadãos de primeira classe, sendo o seu recurso mais poderoso e peça chave para desfrutar todo o potencial do mesmo. Muitos dos que reclamam de perca de produtividade no Gnome Shell assim pensam por tentarem utilizar o desktop atual como utilizavam seus antecessores. É aqui que começa a quebra de paradigma do atual Gnome. 

Abaixo temos um exemplo de como poderão ser os vídeos que virão com o GIS:
video

O Gnome Ajuda (Yelp) está sendo totalmente reprojetado e algo como o que vemos a seguir poderá ser sua nova cara.
Gnome Ajuda redesenhado

Infelizmente os usuários do Ubuntu, mint ou qualquer outra distro que utilizam-se do LightDM não poderão beneficiar-se desse módulo pois o mesmo requer o GDM ou GOA.

Você ainda tem dúvidas de que o Gnome Shell poderá atender suas expectativas?

Gnome Shell 3.6.2 liberado



Na data de hoje, 14 de novembro, o Gnome está anunciando seu segundo e último lançamento de correções de erros importante para a série 3.6 e, de agora em diante, todo o trabalho será voltado para a série 3.8. O Gnome Shell 3.6.2 como aconteceu com o 3.6.1, traz muitas correções mas gostaria de ressaltar uma que será do interesse dos usuários do Ubuntu. Sob o número 683060 no bugzilla, trata-se de um erro que ocorria no bloqueio de tela em instalações Unity, sendo uma incompatibilidade do Gnome e Ubuntu sobre GDM e LightDM.

Outra correção interessante é a de número 685915 relativo a um bug com drivers gráficos da Intel. Neil Roberts, que é membro da Equipe de Visualização de Desktop Intel diz que retirou parte de um código que nada mais era que uma "gambiarra" que permitia contornar esse bug no próprio Shell. A retirada desse código deve-se por conta de Roberts ter incluído um patch no próprio Mesa 9.

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Maratona de caça aos bugs no Debian Wheezy



O Projeto Debian lançou no último dia 10 de novembro sua Bug Squashing Parties (BSP), que é uma maratona de caça a bugs no Debian Wheezy. "O objetivo principal de uma Festa de Caça aos Bugs é fazer triagem e correção de bugs, mas também é uma oportunidade para usuários menos familiarizados com o BTS fazerem outras contribuições ao projeto Debian, tais como traduções de descrições de pacotes ou melhoria do wiki. Desenvolvedores Debian estarão presentes para ajudar os colaboradores a entender como o projeto funciona e para ajudar a conseguir correções para o Debian."

Se você quiser organizar uma BSP, você pode achar todas as informações necessárias nesta página wiki. O Projeto Debian convida todos os usuários e colaboradores a participarem desses eventos e deixarem a versão Wheezy pronta para lançamento em breve!

GNOME Shell focando nos menus touchscreen


Foram publicadas na página do Live GNOME algumas imagens sobre a evolução gráfica que encontraremos nas próximas versões do GNOME 3. O objetivo das mudanças é tornar os aplicativos mais rápidos, leves e simples utilizando os chamados Mega Menus, que são menus suspensos onde é possível acessarmos outros recursos do aplicativo utilizado. Tais mudanças já começam a ser disponibilizadas juntamente com a versão 3.6 para algumas aplicações mas aos poucos alcançarão todo o ambiente. Vê-se claramente a intenção da facilidade de utilização em dispositivos touchscreen. Entretanto, o ponto negativo da utilização desse tipo de menu está no fato de que não podem abrigar sub-menus em árvore, sacrificando assim algumas funcionalidades ou pelo menos o fácil acesso às mesmas.

Segue algumas imagens dos novos mockups:

Mega Menu no Epiphany

Firefox

Eye of GNOME


domingo, 11 de novembro de 2012

GNOME volta a ser o desktop environment padrão no Debian e do Linus Torvalds


Em meados de agosto foi anunciado que o Debian passaria a adotar o Xfce em vez de GNOME em seu tasksel no Git. A razão para a mudança devia-se ao fato do XFCE possuir uma quantidade menor de pacotes que o GNOME de modo que sua área de trabalho caberia inteiramente no primeiro CD de instalação do Debian enquanto que o GNOME só tenderia a crescer e teria de ser dividido entre os dois primeiros CDs

Houveram muitas especulações a partir desse anúncio, alguns até apontando que os desenvolvedores do Debian estavam desgostosos com o GNOME, que este estava fadado ao fracasso, etc, etc. Na verdade, segundo as threads nas listas de discussões do GNOME, tudo não passava de um esforço articulado na tentativa de abalar a credibilidade do GNOME para com seus usuários para que um outro desktop pertencente à uma determinada empresa acabe por dominar o nicho do open source. Teorias conspirativas à parte, o fato é que os desenvolvedores não ficaram de braços cruzados e botaram a mão na massa para a solução desses problemas.

Passaram-se pouco mais de dois meses desde então, o terceiro beta do debian install foi lançado tendo a equipe de desenvolvedores conseguido empurrar mais pacotes do GNOME  para o 1º CD de instalação e o GNOME está de volta como o tasksel padrão. Com um commit feito no final de outubro, é descrito simplesmente como "again revert xfce default (mais uma vez reverter padrão xfce)".

Claro, o XFCE continuará disponível, mas o GNOME volta a ser novamente o padrão como "o ambiente de trabalho para instalar quando a tarefa desktop está selecionada."  

Provavelmente nem todos os usuários do Debian estão sabendo que o GNOME agora não possuirá mais seu fallback mode, o que irá exigir que os usuários tenham uma GPU de aceleração 3D, ou então serão forçados a usarem LLVMpipe. Entretanto, essa mudança não é válida para o Wheezy, já que essa mudança é para o GNOME 3.8, enquanto que o Debian 7 está com a versão 3.4.

Em tempo, há também a notícia de que Linus Torvalds novamente voltou para o GNOME depois de um curto período de tempo aventurando-se no desktop KDE. Segundo as próprias palavras de Torvalds:

"Eu tenho que dizer, as coisas estão muito melhor agora do que eram há um ano, estou realmente voltando a usar o Gnome 3, eu não gostei de algumas outras coisas que eles fizeram, mas eles foram corrigindo problemasagora ainda existem extensões que são ainda muito difícil de encontrar, mas há extensões que você pode fazer a sua área de trabalho parecer quase tão boa como costumava olhar 2 anos atrás."

Nada como um dia atrás do outro!

 Fonte: World of GNOME

Nos passos do GNOME Shell


Para quem me conhece (ao menos virtualmente) sabe que tenho usado o Openbox como gerenciador de janelas em meu Debian Wheezy (sabor CrunchBang Linux - Waldorf) há algum tempo. Passei a amar o CrunchBang e toda sua comunidade tão livre e atenciosa como qualquer outra do universo Debian. Meu desktop OpenBox é simplesmente perfeito para mim e para o meu estilo minimalista de ser e viver. Tinha configurado tudo ao meu gosto e lançava qualquer aplicativo com um simples conjunto de atalhos de teclado. Apesar de tê-lo instalado em meu notebook Dell de uso restrito e pessoal (com hd criptografado, etc), vez ou outra sempre há ocasiões que tenho de deixar alguém por as mãos no meu "precioso" para alguma tarefa urgente ou mesmo tendo de exibí-lo para propagar a filosofia open source. E eram justamente nestas ocasiões que via a dificuldade que meu estilo minimalista causava nas demais pessoas. Sempre tinha que dizer a quem estava com meu notebook em mãos como proceder com algo. Quando era para simplesmente demonstrar o Linux para uma pessoa qualquer até elogiavam a beleza mas sempre diziam tratar-se de um ambiente para hacker.

Toda aquela situação estava complicando minha intenção de divulgar o Debian e toda a filosofia do open source. Foi então que resolvi voltar para o ambiente que as pessoas teriam ao instalar o Debian pela primeira vez. E eis o GNOME Shell em meu Dell Inpiron novamente.

Apesar do Openbox ser mais a minha cara, também amo o GNOME Shell. Continuo sempre me surpreendendo com seu desktop limpo e bonito, que me deixa fazer o que desejo sem qualquer uma das desconfortantes intrusões de outras interfaces como o Unity. Deixar alguém usá-lo também não me traz a chateação de sempre ter que dizer à pessoa como e o que fazer. 

Vejo com desgosto uma campanha tendenciosa de usuários (principalmente fanboys do Ubuntu) contra o GNOME 3. Eu até entendo algumas de suas razões mas a medida que usam para julgá-lo é equivocada e até maldosa. Esses mesmos críticos fazem questão de esquecer que também tiveram o mesmo tipo de antipatia pelo Unity quando este era novidade e agora simplesmente o amam religiosamente. Todos os motivos que apontam como deficiência do GNOME quase sempre deve-se ao fato de não compreenderem sua metodologia de utilização, e que bastaria um tempo para sua adaptação (como tiveram que fazer com o Unity). A grande maioria dessas deficiências apontadas pelos críticos podem ser resolvidas com uma simples extensão produzida para aquela questão. 

E qualquer notícia referente ao GNOME Shell acaba sendo alvo de ataques maliciosos. A última foi por conta da remoção do Fallback Mode. Até li comentários de alguns estúpidos dizendo que retornariam ao sistema Janelas por conta disso. Outros, criadores de teorias conspiratórias, chegaram a afirmar que essa mudança foi intencional e direcionada a prejudicar o Unity e outros desktops environment que se utilizam disso! Tudo bem que o pessoal do GNOME não têm o dom da comunicação ao anunciar o que farão, mas a remoção do Fallback Mode já era algo previsto desde o início por se tratar exatamente de um modo alternativo para o caso do hardware não suportar o GNOME Shell (fazendo-o utilizável sem aceleração de hardware). Não seria um recurso eterno. O problema é que algumas distribuições o denominaram de GNOME Classic como se fosse uma opção de desktop como as demais outras. E tem mais, poucas pessoas realmente usava o Fallback Mode; desses poucos utilizadores, praticamente nenhum retornava com um feedback de seu funcionamento. Mantê-lo estava prejudicando o desenvolvimento de outras partes do próprio GNOME.

Sendo assim, se você utiliza o Fallback Mode porquê seu hardware não consegue rodar o GNOME Shell satisfatoriamente, ou simplesmente porquê você não gosta do GNOME Shell porque ele não vem de cara com um recurso que você adore usar (e provavelmente até possa ser implementado através da instalação de uma simples extensão), eu vos imploro, pulem para outras alternativas e parem de difamar o árduo trabalho voluntário de quem só deseja levar a liberdade para o desktop Linux. Por trás desse pessoal não há nenhuma empresa que, em desejando o lucro, tenta tornar seu desktop a única opção em um mundo livre. Todas as outras opções são excelentes. Há o XFCE, o LXDE, KDE, Openbox, e muitas outras. No Debian temos equipes dedicadas mantendo com eficiência todos esses ambientes.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Debian 8 se chamará Jessie



Essas já são velhas notícias mas gostaria de registrá-las aqui. 

Debian 6.0.6 liberado
O Projeto Debian disponibilizou a sexta atualização da sua versão estável, o Debian 6.0.6 desde o final de setembro. Esta atualização não constitui uma nova versão do Debian, mas apenas um conjunto de correções de segurança e atualizações para alguns problemas graves. Quem vem utilizando o Squeeze desde o princípio e realizando as atualizações de segurança não precisa realizar uma nova instalação. Para você se certificar de que seu Debian Squeeze receba todas as atualizações basta fazer em um terminal:
sudo aptitude safe-upgrade
A notícia sobre essa liberação e a relação do que foi atualizado pode ser visto aqui.

3º beta do Debian Installer

O time de desenvolvimento do Debian Installer liberou seu terceiro beta para o Debian Wheezy. Entre as principais novidades está o suporte completo a IPV6 durante a instalação, suporte a UEFI, os ambientes LXDE e XFCE agora ganharam live CDs próprios e mais pacotes do GNOME 3 foram empurrados no 1º CD de instalação, o que ainda faz do GNOME o ambiente padrão do Debian (se você instalá-lo via imagem Netinstall ou DVD e deixar as opções padrões acabará no GNOME Shell - não fiz o teste apenas com imagens de CD). Mais sobre essa liberação você consegue aqui.

Debian 8.0, codnome Jessie

É uma tradição do Projeto Debian anunciar o nome da próxima versão testing assim que a atual entra em Freezing. E foi o que eles fizeram no dia 27 de julho passado ao informarem que o nome Debian 8.0 será o da parceira do Woody, a pequena vaqueira Jessie. Essa notícia pegou alguns de supresa pois a maioria pensavam que os prováveis nomes seriam Zurg ou Shark.

Como o Wheezy provavelmente seja lançado por volta de fevereiro de 2013 o Debian Jessie só deverá ser liberado no final de 2015, ou não. Mais sobre isso aqui.

Só para sua apreciação, saiba que a atual versão estável, a Squeeze, é composta por um total de 53 CDs ou 8 DVDs. A Wheezy ainda conta com um número de 20 CDs ou 3 DVDs, mas sabemos que até 2013 muita coisa ainda vai entrar nesse número. Espero que a Jessie não ultrapasse o conjunto dos 100 CDs. :)

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Thunar com suporte a abas no Ubuntu 12.04/12.10

Thunar 1.5.1 no Ubuntu 12.10

No post anterior noticiamos que a versão 1.5.1 do gerenciador padrão do XFCE, o Thunar, ganhará o recurso de múltiplas abas. 

Para os mais apressadinhos e que usem Ubuntu 12.04 ou 12.10 a instalação pode ser feita por meio de PPA's. Entretanto, vale ressaltar, que o que iremos instalar são pacotes de desenvolvimento e eventuais instabilidades ou bugs podem aparecer. Então, é o de sempre: fica por sua conta e risco. 

Para adicionar o PPA faça o seguinte em um terminal:
sudo add-apt-repository ppa:xubuntu-dev/xfce-4.12
sudo apt-get update
sudo apt-get upgrade
Quem já está usando o Xubuntu 12.10 não terá problema algum, mas os usuários do 12.04 precisará adicionar também o repositório do PPA XFCE 4.10 antes de fazer o procedimento acima. Isso pode ser feito da seguinte forma:
sudo add-apt-repository ppa:xubuntu-dev/xfce-4.10
sudo apt-get update
sudo apt-get dist-upgrade
Depois de tudo instalado, basta reiniciarmos a sessão ou o próprio Thunar com o seguinte comando em um terminal:
thunar -q
 
Referência: Web UPD8 

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Thunar ganhará recurso de abas

Abas para o Thunar
Muitos usuários têm fugido dos ambientes desktops mais atuais (como Unity e GNOME Shell) por conta do desempenho e certas frescuras que nem todos gostam e acabam migrando para outros mais leves e eficientes, como o XFCE, LXDE, OpenBox, etc. Até mesmo entre os desenvolvedores do Projeto Debian uma grande parte tem se voltado para o XFCE em detrimento do GNOME 3, tanto é que as isos oficiais de CD de instalação Debian agora apontam com ambiente default o XFCE.

Entretanto, o XFCE usa como gerenciador de arquivos padrão o Thunar que é tão eficiente e leve como o Nautilus do antigo GNOME 2.x. Mas em anos de existência sua equipe de desenvolvimento vinham relutando em acrescentar-lhe um recurso que todos os demais dispoem a tempos, abrir múltiplas abas em uma janela. Eles vinha relutando porquê Nick Schermer, um dos desenvolvedores do XFCE anunciou no forum de densevolvimento do XFCE que as abas estarão presentes no Thunar mais cedo do que pensam, já no Thunar 1.5.1, provavelmente no XFCE 4.12.

Fonte:

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Desativando o espião do seu Ubuntu


Alguns leitores do post anterior ficaram reclamando que eu dei a entender que o compartilhamento de informações do Dash com a Amazon não daria para ser desabilitado. Bom, gostaria de deixar bem claro que é possível  desabilitá-lo.

E isso é bastante simples é existem alguns meios de fazer isso. O primeiro e mais simples é clicando aqui para que a Central de Programas do Ubuntu seja aberta exatamente no unity-lens-shopping. Basta você clicar no botão desinstalar do lado direito.

Outra forma mais prática e mais rápida é através do terminal. Para isso basta digitar o seguinte comando:

sudo apt-get remove unity-lens-shopping
Se você desejar que o Dash  realize buscas localmente em seu computador e não pesquise por tudo na Internet também, você pode abrir o app de Privacidade e mudar "Incluir resultados de busca on-line" de ligado para desligado, como na figura abaixo.


Agora, se você ficou revoltado com a posição da Canonical e para onde ela está levando o Ubuntu através do seu Unity, poderá radicalizar e partir para uma distribuição que você julgue mais confiável (recomendo fortemente o Debian). Ainda assim, se ainda deseja continuar no Ubuntu mas resolveu não mais apoiar o Unity, poderá instalar outro ambiente desktop no seu sistema. O GNOME Shell é uma alternativa bem agradável, moderna e semelhante em recursos com o Unity. Mas claro, ainda há o KDE, XFCE, LXDE, etc.

Fonte: EFF

Cuidado! O Ubuntu está lhe espionando!


O Ubuntu 12.10 foi lançado recentemente tendo como maior destaque a nova versão do Unity com uma série de aprimoramentos na busca de arquivos no desktop e na internet. Quando você procura por alguma coisa obterá não apenas resultados sobre os arquivos locais, mas também propagandas de produtos da Amazon. 
  
Por conta disso muitas foram as reclamações por parte da comunidade Ubuntu, e uma enxurrada de relatórios de bugs classificados como graves com títulos com  "Não incluir pesquisas remotas na lens Home", "Vazamento de dados diretos para a Amazon", "grep -R não procura automaticamente por Amazon", "cobertura incompleta de spyware - limitado no dash", entre outros. 
 
Tecnicamente, quando você procura por algo no Dash, o computador faz uma conexão segura HTTPS para productsearch.ubuntu.com, enviando junto sua pesquisa e seu endereço IP. A pesquisa lhe retorna produtos da Amazon carregando imagens de produtos a partir do servidor da Amazon através de uma conexão HTTP totalmente insegura. Isto significa que um bisbilhoteiro passivo, como alguém que compartilha uma rede sem fio com você, será capaz de ter uma boa idéia do que você está procurando em seu próprio computador com base em imagens de produtos da Amazon.
E a coisa se complica ainda mais quando sabemos que tudo o que procuramos em nosso computador também é enviado para algum servidor através da internet. Se você guarda documentos confidenciais de sua empresa, ou se você é ativista de algum movimento secreto, ou mesmo gosta de arquivar arquivos pornôs ou de conduta duvidosa, sempre que procurar pelos mesmos em sua máquina termos de pesquisa sobre o mesmo são enviados para terceiros.

O Dash do Ubuntu 12.10 trás uma nota de aviso legal (que pode ser lida no botão i) onde afirma que, ao usar o Dash todo usuário concorda em enviar automaticamente o termo de pesquisa e seu endereço IP para um certo número de terceiros e que, depois de enviado para os mesmo, a forma como esses dados serão usados não é problema da Canonical - isso mesmo, ela se descompromete totalmente com o que esses terceiros poderão fazer com seus dados! Veja uma parte da nota legal transcrita abaixo:
A menos que você tenha optado pelo contrário, vamos também enviar suas digitações no teclado como um termo de pesquisa para productsearch.ubuntu.com e terceiros selecionados, para que possam complementar seus resultados de pesquisa com resultados de pesquisa on-line de tais terceiros, incluindo: Facebook, Twitter, BBC e Amazon. Canonical e estes terceiros selecionadas irão recolher os termos de pesquisa e usá-los para fornecer resultados de busca, enquanto você estiver usando o Ubuntu
A Canonical não é clara sobre quem são esses terceiros ou quando esses dados são enviados, mas parece que muitos desses dos termos pesquisados ​​pelos usuários são enviados para essas empresas só em determinadas circunstâncias. O novíssimo recurso do Ubuntu e "chupado" do GNOME Shell, Contas Online, permite que você autoriz o Ubuntu a usar suas contas de Facebook, Twitter, Google, Flickr e outros serviços para os demais aplicativos do desktop. O Dash provavelmente vai procurar esses serviços para fotos, documentos e outros conteúdos somente depois de você ter autorizado o Ubuntu para usá-los.
Depois de muita polêmica a Canonical resolveu que seu time trabalhará por melhorias no Dash, tais como possibilitar o carregamento de imagens da Amazon através de conexão HTTPS, evitando assim bisbilhoteiros locais ou remotos, acrescentará recursos de filtragem de produtos pornográficos, entre outros. Entretanto, isso não muda o fato de que as consultas de busca dos usuários automaticamente são enviadas para empresas de terceiros sem dar aos usuários a oportunidade de recusar-se a isso. Mesmo carregando imagens de produtos da Amazon por HTTPS em vez de HTTP, o fato de que eles são carregados diretamente dos servidores da Amazon ao invés de serem carregados através da da própria Canonical permitiria a Amazon a capacidade de correlacionar as pesquisas com os respectivos endereços IP. Uma maneira de corrigir isso seria a utilização de proxy da Canonical para todas as imagens de terceiros e outros conteúdos para usuários do Ubuntu.
Fonte: EFF

sábado, 27 de outubro de 2012

Windows 8 Product-key

Sei que o nosso assunto aqui sempre é software livre e, mais especificamente Debian, mas não posso deixar de contribuir com todos aqueles amigos que estão numa ansiedade terrível procurando uma key para poder instalar seu novíssimo Windows 8 pirata sem pagar nada à Microsoft.
Então, para quem está instalando Windows 8 e quiser um serial que funciona e vai deixar seu sistema mais rápido e seguro é só pegar aí.



Agora, quem ainda não tem a imagem do cd de instalação do Windows 8 pode pegar uma ainda melhor nesse link.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Não, obrigado. Eu tenho Linux.


O Windows 8 está sendo lançado nesse momento pela pequena bagatela de US$ 80, isso lá nos Estados Unidos. Não tenho ideia de quanto custará para o brasileiro, mas lá pela terra do tio Sam dizem que tal preço até que está bom se levarmos em conta que, no passado, a facada já foi bem maior. Entretanto, uma ideia interessante surgiu no fórum do CrunchBang Linux e acabou virando campanha para os usuários dessa distribuição Debian-like. O usuário merelyjim postou um tópico sob o título "No thanks. I got Linux” onde ele considera que todo esse dinheiro poderia ser melhor utilizado em outras ações, como doá-lo para o desenvolvimento de sua distribuição Linux atual ou para seu programa FOSS preferido. Confira a ideia de merelyjim:

"É difícil expressar o que o Linux tem feito por mim. Eu aprendi mais com o Linux do que eu já fiz com o Windows. Eu faço parte de comunidades dinâmicas que se envolveram em argumentos apaixonados, discussões inteligentes e flame wars malucos. Como família, você pega o maluco (hum ... que seria eu) com o engraçado. Em vez de apenas me permitir "tentar fazer as coisas de trabalho" por conta própria, houve aqueles que tentaram empurrar-me pelo caminho certo, mesmo quando eu não queria vê-lo. Meu eterno agradecimento para aqueles que estavam dispostos a compartilhar seu tempo e experiência comigo, mesmo que eu nunca tenha conhecido na vida real.Então, em 26 de outubro de 2012, em vez de dar a Microsoft $ 79,99 para a atualização do Windows 8, eu vou doar o mesmo valor para a distro Linux que eu mais uso.Eu os convido a se juntarem a mim nisso.Eu realmente não me importo qual distro seja, somos todos família. Se você preferir, pode doar para um projeto de Código Aberto específico. Enquanto você dá algo que permite através do Paypal, Amazon, ou Flattr, de forma que se saiba que algo está acontecendo naquele dia. Se você não pode dar monetariamente, pelo menos espalhe a palavra.Eu quero que a comunidade Linux possa mostrar à Apple, Google, Microsoft, Oracle o que que realmente importa, que nós cuidamos uns dos outros, e há muito mais de nós do que eles pensam. Se você contribuir, eu espero que você diga aos fabricantes de hardware, seja por e-mail ou tweet, para que eles fiquem sabendo que você usar o seu hardware rodando um kernel Linux. "
Mas é claro, há diversas formas de colaborar com o software livre. A começar por realmente retribuir com o desenvolvimento da distro que você usa no dia a dia. Para quem é usuário Debian, sabe que o projeto é, diferente de muitas outras distribuições por aí, mantido por esforço voluntário de um batalhão de desenvolvedores ao redor do mundo. Não há nenhuma empresa bancando tudo por trás, antes há aquelas que se aproveitam do trabalho da comunidade Debian sugando todo seu esforço e ainda fazendo fama em cima do mesmo.

Sendo assim, se você desejar colaborar com o Debian, seja financeiramente ou doando equipamentos, você pode seguir as instruções aqui. Se você não dispõe de recursos financeiros, ainda assim, você pode doar seu tempo, que muitas vezes pode ser até mais valioso que dinheiro. Se você programa, há sempre espaço para mais programadores na tonelada de pacotes dos repositórios Debian. Não sabe programar? Não se preocupe - muitos projetos têm necessidades que vão além do 0 e 1, que incluem coisas como a documentação (para os metidos a escritores), design (para os artistas), tradução (para o multilingues), etc, etc... a lista é longa. Se você tem um conjunto de habilidades especiais, programação ou não programação, há sempre algo para você fazer.